Ouça agora

Ao vivo

Novos equipamentos da Comlurb ajudam na limpeza e na coleta domiciliar do Rio
Rio de Janeiro
Novos equipamentos da Comlurb ajudam na limpeza e na coleta domiciliar do Rio
Especulado no Flamengo, astro colombiano entra na mira de clube da Arábia Saudita
Destaque
Especulado no Flamengo, astro colombiano entra na mira de clube da Arábia Saudita
Caxias: Motociclista tem perna e braço amputados após ser arrastado por ônibus
Baixada Fluminense
Caxias: Motociclista tem perna e braço amputados após ser arrastado por ônibus
Lula desembarca na Arábia onde apresenta projetos de investimento
Política
Lula desembarca na Arábia onde apresenta projetos de investimento
Passista da Grande Rio, que teve o braço amputado após cirurgia para retirada de miomas, recebe uma prótese
Carnaval
Passista da Grande Rio, que teve o braço amputado após cirurgia para retirada de miomas, recebe uma prótese
Adutora rompe e água destrói casas em Nova Iguaçu
Baixada Fluminense
Adutora rompe e água destrói casas em Nova Iguaçu
Construções irregulares são demolidas em operação da PM e MPRJ na Cidade de Deus
Rio de Janeiro
Construções irregulares são demolidas em operação da PM e MPRJ na Cidade de Deus

Equipe de saúde da Prefeitura do Rio atende pessoas em situação de rua

Iniciativa atende pessoas em situação de vulnerabilidade levando atendimento médico, primeiros socorros e exames
Foto: Pâmela Araújo/SMS-Rio

Com a ampliação do atendimento do “Consultório na Rua”, a Prefeitura do Rio agora atende a todas as regiões do município. Ao todo, são 118 bairros no programa, que leva atendimento médico a pessoas em situação de rua.

Ao todo, 13 times estão espalhados por todas as regiões. O principal objetivo é ampliar o acesso da população em situação de rua a serviços de saúde, em uma tentativa de diminuir o abismo criado pela vulnerabilidade extrema.

Segundo um levantamento da própria prefeitura, a quantidade de pessoas nessa situação aumentou 8,2% de 2020 para 2022, ou seja, no período da pandemia.

São quase 8 mil pessoas em situação vulnerável, sendo 82% homens e 84% pretos ou pardos. Os números deixam evidente que há um perfil para as pessoas sem endereço fixo na capital.

O programa foi criado em 2011 e recebeu mais recursos nos últimos 2 anos, o que possibilitou a expansão do atendimento para todas as regiões e um aumento de 40 bairros contemplados.

Segundo a gerente da área técnica de Consultório na Rua, Fabiana Baraldo, a importância das equipes é ajudar e facilitar o acesso dessas pessoas que, historicamente, têm muita dificuldade de acesso às políticas públicas. O principal objetivo das equipes, além do atendimento integral em saúde, é garantir que essas pessoas tenham acesso ao SUS.

Cada equipe é composta por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem, agente social, psicólogo e assistente social. Algumas delas também contam com terapeuta ocupacional.

Os atendimentos vão de primeiros socorros a internações. Cuidados com a saúde mental, bucal e pré-natal também são feitos. Após o atendimento, os pacientes são cadastrados e têm acompanhamento posterior, como vacinação.

O principal desafio não tem sido a receptividade dos pacientes, mas sim a falta de recursos apropriados nos ambientes onde o atendimento ocorre.

A enfermeira Danielle Nogueira, que atua há 2 anos na equipe da Clínica da Família Marcos Valadão, em Acari, diz que alguns profissionais conseguem ter experiências bem-sucedidas, como curas para casos de tuberculose.

“A gente busca trazer visibilidade para esse público que só é visível quando incomoda. São pessoas muito presentes no território e muito pouco notadas pela sociedade civil. A gente trabalha levando acesso para elas, levando dignidade para que tenham direitos como cidadãos que são, e para que possam exercer a sua cidadania e ter direito ao SUS”, diz a enfermeira.